Quarta-feira, 21 de Outubro de 2020
Publicações

Revista Literatura, História e Memória

Início: Fim: Países: Brasil

Literatura, História, Chamada para artigos, Revistas

Chamada para publicação do 2º semestre de 2014
 
A Revista Literatura, História e Memória, publicação semestral do Colegiado de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, está recebendo artigos e ensaios, de acordo com as normas da revista, para a composição de suas próximas edições. O projeto acolhe artigos originais e inéditos de interesse da comunidade científica. A revista organiza-se a partir de um dossiê, conforme chamadas para publicação, e duas seções temáticas intituladas Pesquisa em Letras no contexto latino-americano e Literatura, ensino e cultura, contemplando as linhas de pesquisa da Graduação e da Pós-Graduação.
 
O próximo número da revista (Vol. 10, N. 16 – segundo semestre de 2014) abre espaço em seu dossiê para a discussão a partir do tema “Literatura e Artes em contato”.
 
Em ensaio publicado em 2000, Jean-Luc Nancy parte da discussão da frase que dá título a seu texto: “As artes se fazem umas contra as outras”, da qual se desprende a apreciação de que as artes nascem de uma relação mútua de proximidade e exclusão, de que há entre elas forças de atração e repulsão que se enfrentam, de modo a torná-las permeáveis umas às outras, passíveis de absorção a partir do contato, sem deixar, porém, que a abertura leve à sua homogeneização. Nesse sentido, não haveria um conceito de Arte no singular e sim um conjunto heterogêneo de práticas artísticas. As artes, adotando a metáfora da tradução, são, como as línguas, traduzíveis e intraduzíveis entre si; criam-se possibilidades de tradução entre as linguagens, mas há sempre o que resta como impossibilidade e aí, precisamente, estaria o caráter artístico mais precioso e o que revela a singularidade plural de cada arte.
 
A modernidade literária, que integra o que Jacques Rancière precisa como o regime estético das artes (A partilha do sensível, 2000), opera um duplo movimento: por um lado, concentra esforços em fundar um “próprio da arte” literária, fazendo do experimentalismo com seu medium específico, a linguagem, seu objeto por excelência e desvinculando-se das exigências de representação verossímil da realidade; por outro lado, a autonomia experimentalista que proclama a liberdade de criação para além das normativas da língua, do discurso produtor de sentido ou do verificável empiricamente, promove um salto para fora do território definido como literário, faz explodir sua potência heterogênea, sua capacidade de tornar-se estranho a si mesmo e reconfigurar-se a partir do que lhe é impróprio. Assim, por exemplo, Paul Valéry e Stéphane Mallarmé buscarão no contato com a música e a dança a transfiguração do espaço poético, e Rainer Maria Rilke no toque das esculturas de Auguste Rodin. Nesse sentido, o Dossiê abre uma primeira questão para discussão: É possível pensar uma heteronomia dos procedimentos artísticos de que se valem as literaturas do experimentalismo autônomo da linguagem?
 
Nas primeiras décadas do século XX, a Teoria e a Crítica da Literatura promovem também seus esforços por definir o “próprio” de seus objetos de estudo, os conceitos e categorias que fundamentariam a análise do texto “propriamente” literário. Não obstante, desde então e ao longo do século, a arte literária abunda em intentos de se tornar imprópria, inadequada a seus próprios limites e possibilidades. Extrapolando suas fronteiras, a literatura se faz, como outras artes, uma “atividade pluriartística”. Nesse sentido, no contexto brasileiro, Leyla Perrone-Moisés já apontava, em Texto, Crítica e Escritura (1978), os desafios que se colocavam para a crítica literária que deveria repensar seus parâmetros de leitura, buscando novas ferramentas de análise capazes de lidar com textos que se desfazem das categorias tradicionais da narrativa e da poesia e se escrevem, por vezes, a partir de procedimentos oriundos do contato com outras artes.
 
A partir desse marco, o Dossiê convida às investigações que extrapolam o campo dos Estudos Literários e buscam na História da Arte, na Estética, na Semiótica e/ou na Semiologia os modos de articulação teórica entre as artes; os pontos de contato, contágio ou repulsão entre elas; os procedimentos que compartilham; os métodos e terminologia que permitem a aproximação comparativa.
 
O Dossiê aceita artigos de reflexão teórica, ensaios de análise crítica e criações literárias que explorem o tema do toque entre as artes, de como se fazem permeáveis e impermeáveis umas às outras.
 
Organizadores:
Dra. Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza – UNIOESTE
Dra. Luci Collin – UFPR
Dra. Eleonora Frenkel – UNIOESTE/CAPES
 
Aceitam-se contribuições em português, inglês, espanhol, italiano e alemão que serão submetidas à apreciação das Comissões Executiva e Editorial e do Conselho Consultivo. O simples envio dos trabalhos não garante sua publicação. As normas para publicação estão em:
http://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/about/submissions#onlineSubmissions
 
Os textos deverão ser submetidos por meio do portal de revistas eletrônicas da UNIOESTE, no seguinte endereço: http://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/index
 
Prazo para envio das propostas de publicação
Vol. 10, N. 16 - Segundo semestre de 2014
15 de Setembro de 2014
 
Revista Literatura, História e Memória
e-ISSN 1983-1498
Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Cascavel
Programa de Pós-Graduação em Letras
Rua Universitária, 2069 - Jardim Universitário
Cascavel – Paraná - CEP: 85819-110
E-mail: literaturahistoriaememoria@yahoo.com.br

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas