Sábado, 05 de Dezembro de 2020
Publicações

Nossos feminismos americanos e descoloniais: escritos anfíbios entre militâncias e academia

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Chamada para artigos, Género

A revista Sul-Sul - Revista de Ciências Humanas e Sociais (ISSN: 2675-3758), coordenada pela Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) seleciona artigos para o seu próximo número que tem como tema "Nossos feminismos americanos e descoloniais: escritos anfíbios entre militâncias e academia". Os investigadores interessados têm até 1º de dezembro de 2020.

Eixo Temático

Infelizmente, em julho de 2020, ficamos sabendo, e com grande tristeza, da morte da feminista anticolonial María Lugones. Em meio à pandemia de COVID-19, para honrar sua vida, seu trabalho e conscientes de que a estratégia do pensamento colonial é destruir alianças feministas, o poder do comunitário, a resistência tecida de mão em mão; propomos este espaço de escrita como um tecido de práticas, conhecimento e resistência feminista Nuestra americanas, como uma tentativa de transformar as desigualdades contra as quais María Lugones também lutou. "Sem patriarcado, não há colonialidade", ensinou-nos María Lugones. Assim como ofereceu ferramentas para analisar como o sistema de gênero constituía tanto a colonialidade do poder como a colonialidade do saber. Graças às contribuições de Lugones, as conexões entre gênero, classe e heterossexualidade tornaram-se presentes na análise feminista como racializadas.

O movimento das "mulheres de cor" às quais Maria Lugones pertencia faz parte dos nossos feminismos americanos e anticoloniais. Como Lugones apontou, sua intenção é refletir sobre os "tramas" da especificidade racial ou étnica da opressão e sua relação congênita com o gênero, em uma "sexualização da raça e uma racialização do sexo". María Lugones instala suas críticas a partir das margens do discurso dominante, das dobras, das fronteiras do modelo colonial global. Mostra-nos que raça, classe, sexo são opressões conectadas em um processo contínuo de produção e transformação, que, além disso, têm sua própria lógica no meio de um território como o de Nossa América.

Nesse sentido, registrando as contribuições de María Lugones, este dossiê propõe as seguintes perguntas que podem ser articuladas coletivamente: Como proceder diante de uma academia que, quando encontra discursos, conhecimentos e práticas que não são a norma, os considera como "objetos de estudo", mas não modos de conhecimento válidos? Os feminismos anticoloniais devem insistir para que esse conhecimento seja incluído na universidade e na academia em geral? Como confrontar as lógicas extrativistas da academia? É possível que a academia desarme as lógicas coloniais de conhecimento, poder e gênero? Como podemos imaginar estratégias feministas anfíbias que nos permitam estar ao mesmo tempo dentro e fora da academia, e que gere encontros entre sujeitos distantes?

Neste dossiê, convidamos você a debater essas questões e refletir sobre elas a partir dos seguintes tópicos:

  • Feminismos latino-americanos e descoloniais         
  • Feminismos comunitários e indígenas         
  • Feminismos pretos, chicanos ou coloridos         
  • Ativismos, militâncias, artivismos, conhecimentos e práticas periféricas para a academia         
  • Feminismos críticos e anticoloniais         
  • Extrativismos acadêmicos         
  • Territórios, órgãos e Sul global         
  •  Lgbtttiqnb + nossos movimentos americanos e anticolonialismo

São aceitos artigos, ensaios, poemas, mostras fotográficas e podcasts, além de audiovisuais e qualquer contribuição criativa que responda à chamada para o tema. Especialmente, vídeos do YouTube são aceitos para quem a oralidade é mais amigável do que escrever.

O objetivo deste Dossiê é abordar reflexões sobre a colonialidade do ser, do saber e do gênero, com as desigualdades e privilégios que esses regimes materializam e reproduzem nos modos de nos relacionarmos e sobre a produção do conhecimento acadêmico, bem como sobre as formas extrativistas de nos relacionarmos entre nós mesmos, atravessadas por subjetividades neoliberais, individualistas e patriarcais. Consideramos de extrema importância que este Dossiê expresse uma pluralidade de vozes e pensamentos anticoloniais, antiracistas e anticapitalistas de modo a combater as desigualdades e privilégios produzidos pelo capitalismo cis-hetero-patriarcal e pelo neoliberalismo consagrado na região de Nossa América e Caribe.

A intenção também é abraçar propostas e resistência feministas e LGBTTIQNB+ (lesbianas, gays, bisexuales, trans, travestis, pessoas transgêneras, intersex, queer, nb não bináries +), bem como a reexistência e imaginação americanas que nos permitam criar outras formas de organizar a educação e a militância, bem como a ruptura com a repetição da colonialidade do ser, do saber e do gênero.

"A raça não é mais mítica ou mais fictícia que o gênero. Ambas são ficções poderosas."

Maria Lugones.

 

Coordenado por: Dras. Paola Bonavitta y Gabriela Bard Wigdor (Universidad Nacional de Córdoba- CONICET. Argentina), Mtra. Jeli Camacho Becerra (Instituto Politécnico Nacional. México).

A revista Sul-Sul - Revista de Ciências Humanas e Sociais é um periódico acadêmico quadrimestral vinculado ao Grupo de Pesquisa Corpus Possíveis, ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais (PPGCHS/UFOB) e ao Centro das Humanidades da Universidade Federal do Oeste da Bahia. As linhas temáticas de interesse da Revista são as seguintes: Corporalidades e Diferença, Cultura, Gênero e Sexualidade e Raça, Territorialidade e Linguagem.

Mais informações através do e-mail sulsul.revista@ufob.edu.br e na página da revista Sul-Sul.

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas