Terça-feira, 19 de Março de 2019
Publicações

Chamada para e-book: "Do Poder Político e Discursivo das Imagens de Protestos Feministas"

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Portugal

Chamada para livros, Ciências da Comunicação, Estudos Feministas, Mulheres

Do Poder Político e Discursivo das Imagens de Protestos Feministas

Chamada de capítulos para publicação de E-book

Editores: Zara Pinto-Coelho (Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade- CECS), Ana Maria Brandão (Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais- CICS-UMinho), Silvana Mota-Ribeiro (CECS)

Edição: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho, Braga, Portugal

Nas últimas duas décadas, têm-se multiplicado as ações feministas de protesto nas ruas das cidades à volta do mundo. Motivadas por questões que integram a agenda histórica dos feminismos, mas que atestam também as recomposições e mudanças do feminismo contemporâneo (no sentido, por exemplo, da interseccionalidade, transnacionalidade, popularização, descentralização e individualização), estas ações envolvem frequentemente o recurso à Internet e à comunicação móvel para a constituição ou uso de redes. Como é sabido, estas tecnologias têm oferecido inúmeras potencialidades para as causas a nível local e a possibilidade de construção de solidariedades transnacionais. As muitas mulheres que foram para a rua na primavera Árabe de 2011, as várias “marchas das vadias”, 2011, no Brasil, as mobilizações do #niunomenos, 2015, na Argentina, a Marcha das Mulheres#nãoSejasTrump, 2017, nos EUA, as ações de protesto instigadas pelo #MeToo, as realizadas no dia Internacional da Mulher 2018, com réplicas por todo o mundo, o protesto nacional “Mexeu com uma, mexeu com todas”, 2018, são alguns dos exemplos desta mais recente mobilização política das mulheres.

Neste volume, apelamos à submissão de capítulos que explorem as componentes visuais destes protestos – tanto as imagens produzidas no contexto das práticas de protesto, como as divulgadas nos média.

Nas imagens produzidas do interior, incluímos artefactos retóricos, em geral de natureza multimodal, que integram o reportório clássico dos movimentos sociais (placards, cartazes, faixas, posters, desenhos, cartoons, símbolos, cores, grafismos), mas também o corpo-imagem (postura, gestos, roupas, acessórios, etc.) e imagens digitais – e.g. memes, infografias - usadas como signos de protesto. Qual é o potencial comunicativo destas imagens? Que discursos produzem, isto é, que conhecimentos, avaliações, formas de estar e de ser realizam, que diálogos e comunidades encetam e em que regime visual se inscrevem? Como é que estes discursos são produzidos? Que papel têm os recursos semióticos usados nas imagens de protesto nesse processo de produção de discursos? Para além de querermos destacar o funcionamento discursivo das imagens de protesto, julgamos essencial pensá-las nos contextos em que são difundidas. Que funções políticas e culturais realizam essas imagens no quadro de um evento de protesto específico e, ao nível mais geral, do discurso público e da cultura?

A segunda dimensão importante da visualização das ações de protesto que incluímos nesta chamada de trabalhos é a referente à esfera mediática. Em maior ou menor grau, durante ou após as ações de protesto, os média continuam a ter um importante papel na recontextualização das práticas de protesto, por via da reportagem fotográfica ou de vídeos. E já se sabe também que as imagens usadas nos protestos assumem não raramente o carácter de “imagens-evento”, quer dizer, de imagens orquestradas para a difusão mediática, com propósitos de marcar a agenda pública, mas também de entrar em diálogo, estabelecer fronteiras, alargar horizontes ideológicos, contestar e subverter ordens de género ou, simplesmente, afirmar existências e manter o movimento. Neste quadro, as fotografias ou vídeos que acompanham a cobertura noticiosa dos eventos de protesto adquirem não raras vezes o estatuto de símbolos ou ícones e, com isso, o poder de delimitar ações, comunidades e construir memórias futuras. Constituem, portanto, o suporte ideal para explorar a forma como jornalistas e sistema mediático modelam a visualização do protesto e, assim, a sua perceção pública. Que representações oferecem os média dos protestos e como convidam leitores e telespetadores a relacionar-se com as cenas mostradas? Que identidades atribuem aos atores de protesto? E que relações há entre essas escolhas e as situações comunicativa e social em que são feitas? Quais são as implicações políticas dessas escolhas?

Num momento em que uns dizem que o feminismo morreu e outros sublinham o seu ressurgimento, importaria conhecer melhor a complexidade destas novas realidades de protesto e ativismo feministas, as suas declinações e especificidades locais, bem como eventuais continuidades com manifestações anteriores. Se bem que, na literatura dos movimentos sociais e da mobilização política, estejam já identificados muitos dos traços da imagética do protesto, ainda são poucos os estudos a mostrar o poder específico dos recursos semióticos no funcionamento discursivo e político dos protestos visuais, com um interesse particular nos conflitos de género nas sociedades contemporâneas.

Este volume apela à participação de investigadores das áreas das Ciências Sociais e Humanas com particular interesse nas visualidades e nos feminismos e em abordagens discursivas. Serão bem aceites propostas de natureza interdisciplinar.

Algumas áreas de exploração poderão incluir, mas não estão limitadas a:

  • Média e cultura popular
  • Culturas políticas feministas
  • Agências feministas
  • Religião, raça, etnia e transgenderismo
  • Identidade e subjetividade feministas
  • Violências (económica, social, política, sexual) contra as mulheres
  • Exclusão e desigualdades
  • Sexualidades e género
  • Discriminação em razão do género e da identidade do género
  • Corpo, género e feminismos
  • Estética e criatividade feministas

Enviar as propostas (em documento PDF ou WORD) para zara@ics.uminho.pt até 30 de abril. As propostas devem incluir um resumo (250 a 300 palavras) e uma pequena nota biográfica (incluindo filiação, morada institucional e endereço de e-mail). Os textos integrais (entre 6000 e 7000 palavras) deverão ser submetidos até 15 de julho.

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas