Sexta-feira, 01 de Março de 2024
Publicações

Chamada da revista JLACS / Travessias para dossiê: "América Latina e as Novas Direitas"

Data de abertura: Data de encerramento: Países: Estados Unidos

Chamada para artigos, Estudos Latino-Americanos

O Conselho Editorial da revista Journal of Latin American Cultural Studies (JLACS) está com chamada aberta para o dossiê "América Latina e as Novas Direitas: Afetos, Discursos, Médios, Performance". As pessoas interessadas têm até 15 de abril de 2024 para enviar os resumos. Essa edição é coeditada por Pablo Semán (Universidad Nacional de San Martín, Argentina) e Ben Cowen (University of California San Diego). São aceitos artigos em inglês, espanhol e português.

Ementa

Os recentes triunfos eleitorais de candidatos de extrema direita – Bolsonaro no Brasil (2018) e Milei na Argentina (2023) – além das quase vitórias de Bolsonaro (2022), Kast no Chile (2021) e Hernández na Colômbia (2022), a popularidade de políticas de “mão dura” como as de Bukele em El Salvador ou o crescimento do apoio a Trump entre a população latina nos Estados Unidos destacaram um ponto cego na agenda dos estudos culturais latino-americanos. Embora a antropologia e as ciências sociais analisem há muito a configuração dos eleitores e as formas e tecnologias de comunicação às quais é atribuído um papel fundamental na ascensão da extrema direita (igrejas evangélicas, redes sociais, militarização da informação-entretenimento e desporto), até agora os aspectos propriamente “culturais” do fenómeno. Isto é ainda mais surpreendente dado o papel proeminente dos símbolos, das narrativas e das formas estéticas e retóricas no desempenho público da neo-direita, desde discursos de ódio contra estrangeiros, migrantes, “outros” étnicos ou de classe até à estimulação de ressentimentos “anti-elitistas” e o cultivo público de modalidades violentas de masculinidade (heteropatriarcal, misógina e homofóbica) e o uso inovador de redes sociais (incluindo as de “baixa tecnologia” como o WhatsApp) para forjar um sistema altamente consistente de comunidades unificadas em torno de um “gesto de ódio” (Kiffer & Giorgi 2019). Na verdade, antes do surgimento dos “estudos culturais” na sua iteração atual, o trabalho intelectual e académico que seguia as linhas sartreanas ou frankfurtianas estava mais habituado a praticar uma hermenêutica não tanto de “suspeita” como de inimizade aberta, procurando compreender o que motivou aqueles do outro lado (a etnografia idiossincrática da cultura da classe média argentina de Arturo Jauretche ou as críticas ao imperialismo cultural do tipo Dorfman-Mattelart são apenas dois exemplos entre muitos).

Como, então, podemos conhecer – e confrontar – hoje a nova direita na América Latina? Ainda nos ajudam as análises do fascismo do século XX (“micro” e “macro”) a compreender o que há de novo e de velho nesta conjuntura, ou precisamos de outras terminologias e enquadramentos para compreender as especificidades geo-históricas do fenómeno, bem como para avaliá-las no contexto de uma onda global de reviravoltas políticas e culturais reacionárias, nativistas e xenófobas? Existe uma “cultura de direita” especificamente latino-americana na sua articulação de elementos locais e globais? Quais são as práticas de (anti)produção e

consumo de “cultura” implícitas e desencadeadas por esses novos tipos de identidade política que a nova direita trouxe à cena? Este número especial procura iniciar a tarefa de delinear uma agenda de investigação para os estudos culturais em relação aos discursos neo-direitistas/neofascistas emergentes (com a questão de como nomear o fenómeno como um dos eixos do debate). O que podem trazer para a discussão algumas das áreas mais inovadoras do campo, como as teorias de afeto, os estudos de mídia (sociais) ou os estudos de performance? O que podem eles dizer-nos que a ciência política ou a sociologia ainda não nos tenham dito?

Tanto as abordagens comparativas como os estudos de caso de um único país são bem-vindos. Os tópicos e abordagens a serem trabalhados podem incluir (mas não estão limitados a):

  • novas direitas e redes sociais: memes, trolling, viralização de discursos de ódio; piadas e sua relação com o inconsciente político;
  • misoginia, homo/transfobia, masculinidades e novas direitas;
  • acessórios da performance neodireitista: bandeiras, camisetas, jaquetas de couro, chapéus, etc.;
  • constelações afetivas dos novos direitos: fúria, ressentimento, medo;
  • discurso neodireitista e meios de comunicação (música, TV, TikTok, Twitter, etc.);
  • representações da viragem à direita no cinema, no teatro, na literatura;
  • formas culturais de resistência às novas direitas;
  • novas direitas, extrativismo e negação climática; o novo racismo e os legados da sociedade escravista;
  • memória, direitos humanos e revisionismo/negacionismo de neo-direita

Para participar, envie título provisório e resumo (máximo de 500 palavras) até 15 de abril de 2024 para: jlacs.travesia@gmail.com. Se as propostas forem aceitas, os manuscritos completos (6.000-8.000 palavras) deverão ser submetidos até 30 de setembro de 2024 e serão publicados no volume 34 (2025) da revista, sujeitos a arbitragem.

 

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas