Sábado, 27 de Fevereiro de 2021
Congressos

Simpósio Problematizando Olhares Coniventes: Gênero e Violência na Arte e na Mídia

Início: Fim: Países: Brasil

Arte, Género, História, Media

É possível afirmar que se tornaram banais no decorrer da história as imagens que relegam às mulheres o papel de meros objetos, cuja finalidade é atender aos desejos masculinos, ou em que elas sofrem violências praticadas por figuras masculinas, como nas abundantes representações de mulheres sendo perseguidas, subjugadas e até mesmo mortas.

As abundantes representações do corpo feminino objetificado na arte que conhecemos hoje foram por muito tempo acompanhadas de poderosos entraves à inserção das mulheres como artistas. O ato representacional era incumbência quase que exclusivamente masculina, perpetuando uma visão parcial sobre as mulheres e seu lugar no mundo. Considerando as tradicionais representações sensuais do corpo feminino como indissociáveis do olhar preferencialmente masculino aos quais estas eram endereçadas, é notório que essa configuração social e simbólica que atribui às mulheres o lugar de objeto de desejo e apreciação sobreviveu à passagem do tempo, e seus rastros na sociedade e na mídia contemporâneas são facilmente verificáveis. Evidencia-se, assim, que a construção simbólica do gênero é reflexo de sua construção social.

Ao abrir um livro de história da arte, é quase certo que iremos nos deparar com alguma representação de “rapto”, e ao ler o texto que a acompanha, é muito provável que os comentários ignorem completamente esse aspecto da imagem, focando muito mais nos méritos do artista e na qualidade estética da obra. Decerto, imagens muito mais aterradoras, por vezes embasadas na realidade ou a expondo, foram e ainda são produzidas e reproduzidas. Frente a essas imagens, no entanto, a sensação de empatia muitas vezes não é a primeira reação despertada em muitos espectadores. A anestesia do olhar ou o prazer escópico são facilmente verificados.

A partir dessas ponderações, impõe-se a questão: como romper com a cumplicidade do olhar? Crendo que um dos primeiros passos para isso é a problematização da mesma, a fim de viabilizar sua desconstrução, este simpósio se propõe a convidar todos, todas e todes a questionar seus próprios modos de ver no que tange aos estereótipos e às violências de gênero, nas representações e na realidade, a partir da proposição de reflexões a respeito de imagens recortadas da arte e da mídia oriundas de contextos diversos.

 

Programação:

• “Construções e desconstruções de gênero na arte: estereótipos, violências e resistências”, com Jocy Meneses dos Santos Junior e Jarlisse Nina Beserra da Silva (Discentes na Especialização em Arte, Mídia e Educação / IFMA)

• “A figura feminina como objeto do desejo masculino: da arte à revista Playboy”, com Renata Lima Cremasco (Mestranda em Estudos Culturais / USP)

• “A imagem feminina na publicidade turística brasileira”, com Luana Ribeiro Soares (Discente na Especialização em Arte, Mídia e Educação / IFMA)

• “Crimes contra mulheres em imagens sensacionais da imprensa ilustrada”, com Caroline Farias Alves (Doutoranda em História / UNICAMP)

Mediação: Prof. Me. Diêgo Jorge Lobato Ferreira (Coordenador da Especialização em Arte, Mídia e Educação / IFMA)

 

Realização: Especialização em Arte, Mídia e Educação.

Apoio: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus São Luís, Centro Histórico.

Data / horário: 14 de dezembro de 2020, das 19:00h às 22:00h.

Local: Google Meet.

Inscrições: https://www.even3.com.br/spoc.

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas