Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
Congressos

V Seminário Big Data Brasil

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Cultura, Economia, TIC

O V Seminário Big Data Brasil acontecerá no dia 08 de novembro no centro do Rio de Janeiro, o evento é promovido pelo Centro de Referência em Inteligência Empresarial (Crie/UFRJ), este ano mais uma vez em parceria com o ODI Rio (capítulo local da rede mundial do Open Data Institute de Londres) e com o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.
 
Desde a sua primeira edição em 2014, o evento promove ideias e debates sobre o impacto cognitivo e econômico das redes e dados digitais. Dados abertos, inovação, novos modelos de negócio, descentralização, redução de custo, transparência, cidades inteligentes, soluções colaborativas, maturidade para tecnologias associadas ao fenômeno big data entre outros, têm sido recorrentes em todas as edições anteriores.
 
O evento é gratuito, mas as vagas são limitadas, por isso garanta logo a sua inscrição: http://bit.ly/bigdatabrasil

No dia do evento haverá transmissão via internet, acompanhe nossas redes sociais para acessar o link de transmissão:
Serviço

Data: 08/11/2018
Horário: 8h 30 - 18h

Local: Auditório do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ)

Av. Marechal Camara, 370 - 9º andar - Centro - RJ
 
09:00 - 09:10
Boas vindas
Eduardo Gussem (MPRJ) - Procurador Geral do Estado do Rio de Janeiro
Luciana Sodré (CRIE) - Curadora do Seminário Big Data Brasil
 
09:10 - 10:00
Palestra de abertura
"Cultural Hacking": onde, quando e como usá-la como ferramenta para alcançar a mudança cultural de forma sustentável.
Luis Mangi (INSTITUTO GARTNER) - Vice Presidente de Pesquisa
 
10:00 - 11:20
Painel 1: Desafios da Transformação Digital
O paradigma produtivo do século XXI pode ser definido por uma palavra: digital. Independente do domínio do conhecimento, setor produtivo, atividade, modelo de negócio ou tamanho, toda instituição produtiva que não tenha nascido digital, terá que mudar para incluir o uso de redes e dados digitais em seus processos de geração de valor. A dificuldade existe porque a mudança não depende apenas de investimento em tecnologia. Quais são os principais desafios da transformação digital? O que está dando certo? Que práticas devemos abandonar? Em que investir?
 
PARTICIPAM DO PAINEL:
Augusto Borella (PETROBRAS) - Gerente Geral de Transformação Digital
Carlos Nepomuceno (CRIE) - Consultor em Digital Business Transformation
Debora Finamore (SEBRAE) - Responsável pelo Projeto SEBRAE DIGITAL
 
Mediação: A confirmar
 
11:20 - 12:40
Painel 2: A quarta revolução industrial
Também conhecida como Indústria 4.0, "quarta revolução industrial" é uma expressão usada para se referir às tecnologias que permitem o surgimento de processos inteligentes. Seja mudando o paradigma do controle da qualidade e da segurança, criando ambientes virtuais que copiam o mundo físico permitindo simulações seguras, descentralizando a tomada de decisão ou interconectando partes para que se comuniquem e tomem decisões independente da intervenção humana, a quarta revolução industrial está apenas começando, mas já é possível perceber que trata-se de um fenômeno irreversível.
 
PARTICIPAM DO PAINEL:
Marcelo Antoniazzi (EX-MACHINA) - Sócio na Empresa Ex-Machina
Victor Chaves (RIO ANALYTICS) - CEO da Rio Analytics
Lelio Souza (INTELIE) - CEO da Intelie
Mediação: Alexandre Almeida (CREA) - Coordenador do Grupo de Trabalho de Inovações Tecnológicas
 
12:40 - 14:00
INTERVALO PARA ALMOÇO
 
14:00 - 15:20
Painel 3: Dados a serviço da gestão de recursos públicos: eficiência, controle, transparência e compliance
O setor público concentra grande parte dos dados gerados pela sociedade. Além do grande volume, esses dados são ainda bem diversificados, geralmente bem estruturados e os agentes que os coletam têm a prerrogativa de definir, padronizar e impor o processo de coleta. Isso cria as condições para a criação de datasets de grande valor e uma oportunidade sem precedentes para geração de insights para uma melhor gestão de bens e serviços públicos. O que as instituições que lidam com recursos públicos têm feito com os dados que coletam e controlam? Que benefícios esses dados podem trazer para sua própria atuação e para a sociedade?
PARTICIPAM DO PAINEL:
Carlos Perdigão (ANA) - Coordenador de Planejamento de Recusros Hidricos - ANA
Chiristian de Castro (ANCINE) - Diretor-presidente da Agência Nacional de Cinema- ANCINE
Pedro Borges Mourão (MPRJ) - Promotor de Justiça e Coord. de Análises, Diagnósticos e Geoprocessamento do MP em Mapas
Mediação: Marcos Cavalcanti (CRIE)
 
15:20 - 16:40
Painel 4: Dados abertos
A ideia é tão antiga, que à primeira vista causa admiração ainda ser objeto de discussão.  Na pesquisa científica, compartilhar dados reduz o esforço da coleta, acelera os resultados, permite novos insights devido à quantidade e diversidade de olhares, permite a contribuição e a crítica entre outras vantagens. É inadimissível pensar em ciência sem pensar em compartilhamento de dados. Pela lógica, se funciona para o setor que produz conhecimento, deve funcionar também para qualquer outro setor produtivo. No entanto, a cultura dos dados abertos precisa ainda responder perguntas essenciais. Como garantir a privacidade de dados pessoais? Que modelos de negócio se adequam a esse paradigma? Quem paga a conta? Como competir sem assimetria de informação?
PARTICIPAM DO PAINEL:
Álvaro Justen (brasil.io) - Coordenador do Projeto Brasil.IO
Luciana Sodré (CRIE) - Pesquisadora e consultora para Open Data, Big Data e Ciência das Redes
Aguardando confirmação do terceiro nome
Mediação: Mauricio Pinheiro
 
16:40 - 17:20
Palestra de encerramento
Games, dados e o mundo real: liçoes da industria
Daniel Chada (Gazeus Game) - CIO
 
17:20 - 17:30
Encerramento
Marcos Cavalcanti (CRIE/COPPE/UFRJ) - Coordenador do CRIE

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas