Quinta-feira, 30 de Junho de 2022
Publicações

Chamada de artigos Nº 23 | Dossiê "Lotman pelas fronteiras: matizes de pensador renascentista"

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Chamada para artigos, Ciências Humanas

Além dos trabalhos de temática livre que a RUS recebe em fluxo contínuo para as suas edições, o Nº 23 receberá também artigos, ensaios e traduções relacionados aos estudos interdisciplinares da arquitetura teórica de Iuri Lotman até o dia 15/09/2022, para abordar os mais variados ângulos da vida e obra deste pensador que em 28 de fevereiro de 2022 ano teria completando 100 anos de nascimento. Nas últimas décadas sua obra tem sido cada vez mais estudada no Brasil, nos mais diversos campos das Ciências Humanas, mas ainda há muito a se descobrir sobre a sua contribuição decisiva.

Introdutor da linha teórica conhecida como Semiótica da Cultura de Tartu-Moscou, Boris Schnaiderman definia os pensadores desta linha, e especialmente Lotman, como “pensadores renascentistas”. Isto porque tinham uma formação das mais ricas, baseada nas mais diversas tradições de pensamento, e trouxeram tal decisiva marca em seus trabalhos ao abordar os mais diversos temas sem reducionismos.

Yuri Lotman (1922-1993) nasceu e se formou em Leningrado – discípulo de Boris Eikhenbaum. Em 1950, é movida outra intensa onda de perseguições políticas, especialmente como o último pogrom da era stalinista. Devido a tal perseguição, Lotman não é aceito no curso de doutoramento. Percebendo que poderia ser preso, parte para Tartu, capital da Estônia onde começa a lecionar folclore, teoria literária e história da literatura russa. Em 1962 trava contato com teóricos Toporov, Ivanov, Uspénski, entre outros, e floresce esta corrente sob a liberdade de pensamento na Universidade de Tartu em Cursos de Verão.

Lotman se destaca por uma vasta obra, tendo se dedicado especialmente a artigos a compor um caleidoscópio dos mais diversos. Entre as suas características estava a de forjar carpintaria de texto o mais aberta possível, ao visar a inclusão de leitores interessados. Esta sua marca inclusiva foi decisiva para a sua passagem de aulas de literatura exibidas por canal de televisão estoniana e russa.

 Após a explosão de Tartu-Moscou na década de 1960, ainda no bojo estruturalista – no qual Lotman apenas tangenciou por nunca abandonar a sua visão historiográfica –, tem sido cada vez mais traduzido e estudado na Europa e nos EUA. No Brasil, apesar de pouco traduzido, é estudado nas edições originais em russo e em traduções em inglês, italiano e francês. Porém, há uma ampla coletânea de textos na trilogia Semiosfera organizada e traduzida do russo em quase sua totalidade pelo cubano Desidério Navarro e publicada na Espanha pela Universitat de València e Editorial Cátedra.

O Dossiê "Lotman pelas fronteiras: matizes de pensador renascentista", organizado por Gutemberg Medeiros e Valteir Vaz, espera contar principalmente com artigos, ensaios e traduções em que sejam trabalhados temas como:

a) estudos sobre aspectos teóricos elaborados por Lotman;

b) aplicações conceituais em análises de objetos ou esferas de atuação;

c) recepção e interpretação da produção de Lotman na Estônia, Rússia e no estrangeiro;

d) novas abordagens científicas e metodológicas nos estudos lotmanianos;

e) traduções de textos de ou sobre Lotman e documentos ligados com sua vida e obra ainda inéditos em língua portuguesa.

Mais informações: https://www.revistas.usp.br/rus/announcement/view/1355

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas