Domingo, 02 de Outubro de 2022
Congressos

IX Colóquio Internacional Coleções de Arte em Portugal e Brasil nos Séculos XIX e XX

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil, Portugal

Artes visuais, Chamada para trabalhos, História da Arte

O IX Colóquio Internacional Coleções de Arte em Portugal e Brasil nos Séculos XIX e XX promovido pelo ARTIS- Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, vê esta sua edição associada ao Simpósio História da Arte Hoje, o qual visa assinalar a jubilação do Professor Vítor Serrão (n. 1952).

Ambos os eventos científicos procuram refletir sobre o MODUS OPERANDI envolvidos no ofício dos historiadores da Arte, tanto no trato do fenómeno artístico, quanto das coleções de arte.

O momento de homenagem é também o momento de reflexão sobre o estado da História da Arte, em geral e da História das Coleções de Arte em Portugal e Brasil, em particular, na procura das respostas às questões: A História da Arte é importante hoje na sociedade? Como têm se desenvolvido as narrativas a partir das coleções de arte e o quanto interferem nas práticas e fundamentos da história da arte?

Em termos gerais, a História da Arte e a História das Coleções têm vindo a solidificar algumas linhas fundamentais de caracterização, tomando toda a arte da pré-história aos nossos dias:

1)      a perspetiva pluridisciplinar de pesquisa em torno da obra de arte e do artista, das coleções e dos colecionadores, reunindo visões plurais e recorrendo a diversas disciplinas humanísticas e científicas, para a clarificação do problema artístico em apreço;

2)      a perspetiva trans-contextual da arte, valorizando não apenas o tempo da encomenda e da produção - na sua vinculação temporal (iconográfica, ideológica, estilística, etc.) - mas também o seguimento da vida da obra, incluindo seus proprietários (coleções privadas e institucionais), nos seus momentos de glórias, de indiferenciação ou de silenciamento até ao presente;

3)      a perspetiva cripto-artística, na qual o estudo artístico não se limita às existências, pois não podem ser esquecidas as obras de arte e coleções desaparecidas, mutiladas ou mesmo aquelas que não passaram da fase de conceção e projeto;

4)      a perspetiva micro-artística, alargando o campo de análise e valorizando a produção dita de periferia ou de esfera regional, ou coleções “triviais”;

5)      a perspetiva dialética entre a vivência da obra de arte, individualmente ou em coleção, e a sua fragilidade matérica, a qual impõe ao historiador da arte o imperativo da salvaguarda, na ação coordenada de estudo, conservação, musealização e fruição.

A organização convida à apresentação de propostas de comunicações relacionadas com os pontos enunciados, através do envio de um resumo, no máximo de 300 palavras, acompanhado de um pequena nota biográfica do(s) autor(es), com cerca de 200 palavras, até ao próximo dia 31 de março de 2022, para: Comissão de Organização do IX Colóquio Internacional Coleções de Arte em Portugal e Brasil nos Séculos XIX e XX - Modus Operandi (artis@letras.ulisboa.pt).

Fonte: ARTIS

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas