Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018
Congressos

Congresso Internacional "A época do espaço. Estado e novas perspetivas"

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Galiza

Chamada para trabalhos, Ciências Humanas, Humanidades Digitais, Literatura

Congresso Internacional "A época do espaço. Estado e novas perspetivas"

Santiago de Compostela, 8 e 9 de abril de 2019

www.aepocadoespazo.info

Ao longo da segunda metade do século XX, houve uma reorientação do olhar humano e do interesse científico, o que aconteceu para observar e serem observado mais no espaço do que no tempo, como aconteceu anteriormente. Essa mudança, denominada como Spatial turn (Soja, 1989), deu origem ao surgimento de novas abordagens e perspetivas de estudo, que quiseram abordar a «espacialidade» (Tally, 2013) dos seres e os resultados da interação com o meio ambiente.

Antes da consciência da nova época, «l'Epoque de l'espace», como assinalaria Foucault em 1967, já havia sido publicado em França um dos textos mais singulares nesta área: La Poétique de l'espace (1958) de Gaston Bachelard, em que a experiência humana é explorada em frente à arquitetura através da qual o autor define «topoanálise»: uma maneira de explorar os lugares vitais através da psicologia.

Nos últimos anos, o aumento do interesse do estudo de criações artísticas, especialmente literárias, olhando o simbolismo, a relevância de lugares, ou transformando certos traços ou conexões geográficas nos principais pontos de interesse em algumas abordagens comparativas. Por outro lado, a relação entre os seres humanos e a natureza através das criações culturais do primeiro ou de suas modificações nos segundos também tem sido abordada, muitas vezes baseada na ecologia ou nos pressupostos marxistas.

Nestas análises, em que a literatura europeia moderna e contemporânea tem gozado de popularidade, outras disciplinas ou épocas parecem não ter alcançado o mesmo nível de apego. Assim, tais como os estudos medievais, clássicos, história ou a história da arte, entre outros, parecem ter sido menos influenciados pela geocrítica ou ecócrita, embora estes tenham uma lacuna considerável nos estudos literários.

O crescimento de disciplinas como essas pode ser percetível através de seu contacto com outras como as humanidades digitais, também muito recentes. A simbiose entre estas deu lugar às humanidades espaciais ou deep mapping, por exemplo. Mas, além de novas metodologias ou procedimentos, a Internet e o desenvolvimento da informática também têm gerado novos habitats, que levam a reformular o ninho bachelardiano e a maneira de construir identidades no espaço.

Aproveitando-se que entre 2018 e 2019 se cumprem 30, 40, 50 e 60 anos a partir de publicações de Soja, Rueckert, Foucault e Bachelard, respetivamente, consideramos que é o momento adequado para refletir sobre o nosso afazeres atual na época do espaço: como têm evoluído as teóricas nestes anos, que tem mudado na nossa conceção do termo ou como vivemos ou nos relacionamos com o território são alguns dos interesses pelos quais achamos que é preciso repensar o giro especial, e fazê-lo a partir de uma ótica irremediavelmente marcada pelo lugar onde estamos: a Galiza.

Entre os relatos encontram-se Robert T. Tally Jr. (Texas State University), Marilar Aleixandre (USC), Federico López Silvestre (USC) e membros do projeto Eco-Fictions; porém, a presença de outros investigadores está por confirmar.

Call for papers

As propostas, 250-300 palavras, deverão ser acompanhadas de um breve CV e associadas a os eixos temáticos mais próximos. Posteriormente serão submetidas a avaliação pela Comissão Cientifica.

As comunicações terão uma duração de 20 minutos, junto com um tempo de perguntas ou debate. As línguas admitidas serão: galego, português, espanhol, catalã e inglês.

Data limite: 1 de dezembro de 2018.

Procuramos comunicações que, desde diferentes disciplinas ou perspetivas, estudem a teoria do espaço ou a sua presença nas produções ou relações de humanos ou animais. A seguir apresentamos algumas sugestões de propostas ou ideias que pretendem exemplificar, mais não limitar, os interesses deste congresso, e mais uma listagem bibliográfica.

  • Revisões ou leituras contemporâneas de autores ou trabalhos já consolidados, como Gaston Bachelard ou Edward Soja ou outros.

  • Reflexões sobre o estado atual das diferentes perspetivas, como a ecocrítica ou a geocrítica.

  • Espaço e novas tecnologias: como têm influenciado as humanidades digitais na metodologia (spatial humanities ou digital environmental humanities), o os últimos avanços tecnológicos na experiência espacial (realidade virtual, novos habitats, etc.)

  • A receção do spatial turn além dos estudos literários: Perspetivas teóricas ou análises relacionados com a história da arte, a antropologia, a arquitetura ou a filosofia.

  • Leituras "diacrónicas": o espaço em outras épocas ou culturas, como a Antiguidade ou a Idade Média.

  • Conceções não antropocêntricas: espaços sem corpo, animalidade ou geografias da divindade.

  • Relações entre seres humanos, território e paisagem.

Formulário para a submissão de propostas

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas