Sábado, 04 de Dezembro de 2021
Congressos

3ª edição do colóquio internacional Romania Contexta. Excesso e abuso nas línguas e literaturas românicas

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Roménia

Chamada para trabalhos, Estudos Românicos, Língua, Literatura

Universidade Babeș-Bolyai

Faculdade de Letras

Departamento de Línguas e Literaturas Românicas

organizam

Colóquio Internacional Romania Contexta

3ª edição

Excesso e abuso nas línguas e literaturas românicas

Cluj-Napoca, Roménia, 14-15 de outubro de 2022

 

Conceitos fundadores, em certo sentido, para a história da cultura ocidental, o excesso e – por extensão – o abuso têm sido, desde a Antiguidade, objetos recorrentes de reflexão. Aristóteles postula, por exemplo, na sua Ética a Nicómaco, a importância da medida e da moderação, denunciando qualquer forma de excesso, e esta conotação pejorativa permanecerá na cultura europeia através de uma longa série de orientações que revalorizaram a axiologia do classicismo greco-latino. Da escolástica medieval ao interesse do Renascimento pela tradição grega antiga, das teorias normativas de Boileau ou do neoclassicismo de Winckelmann, entre outros, inúmeros movimentos estéticos apostaram na rejeição de quaisquer formas de excesso e abuso, qualificadas como manifestações animalescas ou doentias (Ética a Nicómaco, VII, V, 5). Paralelamente, algumas orientações “modernas” definiram-se, ao longo das épocas, em oposição ao classicismo antigo – por exemplo, o Barroco – fazendo do excesso o próprio motor da criação estética. Tal como observa Camille Dumoulié (Esthétique de l’excès et excès de l’esthétique, 2012), o século XVIII representa uma virada na história da receção desses conceitos (ver também Diderot, Discurso sobre a poesia dramática, 1758), estabelecendo uma equivalência entre excessivo e estético, num momento em que a história da cultura abandona o ideal da beleza da Antiguidade a favor de uma confrontação com os limites em que se fundaram de maneira programática quase todas as correntes importantes da modernidade. Aliás, o século XX fez uma longa reflexão sobre o excesso e o abuso, não apenas na área da literatura, mas também na área da linguística.

A terceira edição do colóquio Romania Contexta propõe-se interrogar os dois conceitos de abuso e excesso no espaço cultural da România, focando as estratégias em que os mesmos se consubstanciam na literatura e ainda na modalidade – eminentemente normativa – em que são compreendidos nos estudos linguísticos.

 

Linguística

O excesso, o exagero, o abuso, em geral, pressupõe a existência de uma norma reconhecida e de um elemento destabilizador ou contestatário. Do ponto de vista etimológico, traduz-se na transgressão de limites, de um quadro bem definido, inclusive na utilização ilegítima ou fora da corrente de um conceito, de uma lei ou de um princípio. O colóquio busca explorar a diversidade e a dinâmica da relação entre norma, limite, quadro e manifestações transgressivas, destabilizadoras ou inadequadas, mostrando que tais conceitos se podem integrar de maneira pertinente no âmbito das ciências da linguagem.

Vinculados à área da linguística, os conceitos excesso e abuso encontram-se nas teorias de comunicação e em diferentes modalidades de manifestação, como “comunicação representativa”, “expressiva” ou “tautista” (Lucien Sfez, La communication, 1999, ou o número „La intensidad en las lenguas románicas como estratégia comunicativa”, Estudios Románicos 30/2021), que pressupõem um excesso de comunicação, sem alvo ou mensagem, específicas também para o modelo de comunicação virtual, mais atual que nunca; nos processos retóricos de semanticização e resemanticização no texto e no discurso, que se baseiam no excesso e no abuso. Por sua vez, a intensidade, enquanto variável do excesso, é um fenómeno omnipresente na língua, tanto a nível morfológico e sintático, como a nível lexical ou prosódico, com efeitos a nível da estrutura informativa da frase e da relação signo-significado (Clara Romero, L’intensité et son expression en français, 2017).

Mas o excesso, visto como fundamento da linguagem ou como manifestação local (a nível morfossintático, semântico, pragmático), pode ser concebido, como em física, com um duplo valor: positivo e negativo. Por conseguinte, partindo da premissa que os dois conceitos, excesso e abuso, podem ser entendidos também através desta oposição, propomos os seguintes eixos de reflexão, que não são exaustivos:

  • o conceito de excesso: definições, problemática, abordagens, utilização teórica;
  • as adaptações impróprias dos neologismos, dos empréstimos, dos topónimos, dos antropónimos, etc. na ortografia das línguas românicas (hiperurbanismo ou hipercorreção fonética, gráfica);
  • o excesso a nível morfológico ou sintático (supra-marcação, redundância…);
  • o excesso e a sua expressão lexical (alteração, derivação …) ou gramatical (o superlativo…);
  • o excesso e abuso no contato linguístico e na prática do empréstimo ou em neologia;
  • as formas de transgressão da norma pelos falantes (hipercorreção, prestígio escondido …);
  • a manifestação do abuso na ritualização do insulto e da violência verbal;
  • as formas excessivas patéticas (repetição, redundância, paráfrase...) em diferentes tipos de discursos: político, mediático, publicitário...;
  • as abordagens retóricas: a função da hipérbole, da ironia e dos excessos humorísticos;
  • a semiótica fronteiriça: a interação entre as linguagens de diversas manifestações artísticas e o texto (o texto literário e as artes visuais ou sonoras, o texto literário e a sua representação cinematográfica ou cénica).

 

Literatura

Na área de literatura, o colóquio pretende explorar a relação entre norma, limite, quadro e manifestações transgressivas, desestabilizantes ou inadequadas. No campo cultural, o excesso e o abuso constituem, para além das suas valências normativas, experiências ontológicas. Da hybris trágica até à visão moderna de Bataille, as literaturas românicas, através de uma longa tradição – de Rabelais e Calderón de la Barca até Sade e Artaud – questionam o homem na sua confrontação com os limites, o excesso e o abuso assumindo implicações filosóficas e existenciais das mais variadas. A sociedade hipermoderna (Gilles Lipovetsky) propõe-se temperar certos excessos, mas paradoxalmente, cria outros. Tudo se torna “espetacular”, o homem é um “hiperconsumidor” a nível planetário, as cidades superaglomeradas são tentaculares (tal como Verhaeren as imaginava), o desporto é radical e o corpo uma obsessão, a tecnologia explode e dinamita os equilíbrios naturais. A ecoliteratura gera a ecocrítica e a literatura (post)apocalíptica é um fenómeno na moda, necessário sobretudo quando as pandemias descem do imaginário para a realidade. O discurso politicamente correto denuncia veementemente os abusos contra as mulheres, as crianças, as minorias étnicas, religiosas ou sexuais.

O problema do excesso tem estado constantemente, nas últimas duas décadas, na atenção dos exegetas, que o radiografaram na obra de escritores que pertencem na nossa área de interesse: Rocco Ronchi, Thomas Berni-Canani, Une ontologie de lʼexcès, 2000 (para o espaço francófono), Christine Orobitg, De la escritura del exceso a la poética del justo medio: otra trayectoria, 2005 (para o espaço hispanófono), Jacqueline Penjon (ed.), Trop cʼest trop. Études sur lʼexcès en littérature, 2006 (para o espaço lusófono) etc., para lembrar apenas alguns dos títulos mais sugestivos.

Em função da episteme cultural em que é produzida, a literatura dá aos conceitos em questão uma aposta ética, atribuindo-lhes, de caso a caso, conotações favoráveis ou, antes pelo contrário, pejorativas. Desta maneira, partindo da premissa de que as noções de excesso e abuso podem ser abordadas através desta oposição, propomos os seguintes eixos temáticos:

  • o conceito de excesso e abuso: definições, problemática, abordagens, evolução no tempo, receção;
  • o excesso e o abuso na relação biografia vs. criação artística;
  • o excesso e o abuso: correntes e géneros literários, do Barroco até à literatura contemporânea;
  • o excesso e o abuso, exuberância, abundância, carga excessiva como temas na literatura e na arte;
  • a violência e a sua representação (ou a ausência da representação) na literatura; violência textual;
  • o abuso físico vs. as consequências psíquicas;
  • os abusos de poder, de confiança, de direito no imaginário literário;
  • a norma, a infração, a regra e a transgressão;
  • a literatura engajada enquanto reação ao abuso;
  • o abuso e excesso na estilística, na estética e na teoria da literatura.

Calendário

Envio das propostas de comunicação (300 palavras, com uma bibliografia de 3-5 títulos): 1 de dezembro de 2021 para o email do colóquio: romaniacontexta@gmail.com  

Notificação sobre a aceitação das propostas: 30 de janeiro de 2022.

Datas e lugar do colóquio: 14-15 de outubro de 2022, Faculdade de Letras (str. Horea 31, Cluj-Napoca, Roménia)

O envio dos trabalhos para publicação nas atas: 30 de dezembro de 2022.

 

Detalhes sobre a organização

As línguas do colóquio são o francês, o italiano, o espanhol e o português.

As comunicações podem tratar uma ou várias línguas românicas.

As comunicações terão 20 minutos e serão seguidas por 10 minutos de discussões.

A taxa de participação é de 50 €/ 250 RON e cobre os intervalos para café, os almoços e a publicação das atas. As despesas com o transporte e o alojamento ficam a cargo dos participantes.

 

Comité científico

Évelyne Thoizet (Artois, França)

José Manuel González Calvo (Extremadura, Espanha)

Jukka Havu (Tampere, Finlândia)

Marisa Martínez Pérsico (Udine, Itália)

Roberto Antonelli (Accademia dei Lincei, Itália)

Lorenzo Renzi (Padova, Itália)

Luigi Tassoni (Pécs, Hungria)

Maria Helena Araújo Carreira (Paris 8 - Saint-Denis, France)

Isabel Margarida Duarte (Porto, Portugal)

Maria de Fátima Marinho (Porto, Portugal)

 

Comité de organização

Cristiana Papahagi (cristiana.papahagi@ubbcluj.ro) – linguística

Monica Fekete (monica.fekete@ubbcluj.ro) – literatura italiana

Marius Popa (popaamarius@gmail.com) – literatura francesa

Sanda Moraru (sanda.moraru@ubbcluj.ro) – literatura e linguística espanholas

Luminița Tunsoiu (luminita.tunsoiu@ubbcluj.ro) – literatura e linguística espanholas

Veronica Manole (veronica.manole@ubbcluj.ro) – literatura e linguística portuguesas

Informação relacionada

Enviar Informação

Mapa de visitas