Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Publicações

Revista De-Arq seleciona artigos sobre a evolução do conceito de paisagem

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Colômbia

Chamada para artigos, Arquitetura, Ciências Humanas e Sociais, Urbanismo, Estudos Latino-Americanos, Estudos Ibero-Americanos

A revista de-Arq (ISSN: 2011-3188), do Departamento de Arquitetura da Universidad de Los Andes,  seleciona artigos para o seu próximo número batizado de Paisagens. O objetivo da publicação é refletir sobre o que tem sido no mundo, principalmente desde o início do século, a evolução do conceito de paisagem, seus modos de análise, medição, representação e educação. Os resumos podem ser enviados até 13 de outubro de 2017. Os idiomas aceitos são espanhol, inglês, português e, nesta ocasião, francês.

A Revista dearq (De arquitetura) é uma publicação semestral, criada em 2007 e financiada pelo Departamento de Arquitetura da Universidad de Los Andes (Colômbia). Seu objetivo é contribuir para a divulgação de pesquisas, reflexões, análises e opiniões críticas que a comunidade acadêmica internacional elabora sobre a arquitetura e a cidade. Está dirigida a pesquisadores, profissionais, estudantes e demais interessados nas temáticas da arquitetura, da cidade e de suas áreas afins.

Eixo Temático

Intimamente ligada à apreciação estética da natureza, ao princípio pela pintura de jardins, depois por meio do desenho de jardins (paisagismo), a área de interesse e de influência da noção de paisagem vem transgredindo suas disciplinas clássicas de estudo (arte, teologia, literatura e geografia) e vem incursionando gradualmente mais além das sociedades paisageiras1 pioneiras de sua criação (China, século V, e Europa, século XVI). Nos anos sessenta, arquitetos e urbanistas desenvolveram o conceito de paisagem urbano (townscape) e salientaram a apreciação estética da cidade; nos anos noventa e sob a influência de conceitos como o de ecologia, surgem campos de ação como a arquitetura da paisagem ( architecture landscape) e o paisagismo urbano (urban landscape).

Torna-se pertinente a pergunta: quais áreas de estudo, quais sociedades e culturas se interessam hoje mais do que outras no tratamento da paisagem? Por que e como fazem isso? O que entendem por paisagem? Como a integram no cotidiano? Que impacto exerce na prospetiva territorial? A apreciação estética do território (cada vez mais urbano) teria perdido força no conceito de paisagem? Seria pertinente voltar a se perguntar sobre a capacidade da paisagem de produzir emoções e sobre as vantagens dessa relação sensitiva para o lugar de vida de cada um?

Esta última interrogação é de grande atualidade já que, assim como a noção de paisagem tem evoluído, a de território, fruto da extensão do conceito urbano que, como indica Françoise Choay,2 tem superado a representação da ideia de cidade prevalecente até boa parte do século XX, para incluir uma visão mais complexa na qual o limite entre o espaço construído e a natureza se torna confuso, em particular nas aglomerações submetidas ao fenômeno de metropolização.

O número Paisagens da revista dearq convida a refletir sobre qual tem sido no mundo, principalmente no início do século XXI, a evolução do conceito de paisagem, seus modos de análise (qualitativa e quantitativa), de medição (indicadores, índices), de representação (pintura, desenho, cartografia, fotografia e vídeo) e de ensino; como ferramenta prática projetual (atlas, catálogo, plano de paisagem) para o ordenamento do território (sem diferenciação entre campo e cidade), qual tem sido o grau de influência da paisagem na tomada de decisões de política pública, sob quais instrumentos (ministério, secretaria, observatório de paisagem) e normativas (leis, convênios, cartas) e como “paisagem” e “território” coexistem.

A revista convida a submissão de artigos que proponham avanços ou resultados de pesquisa sob uma perspetiva integral, interdisciplinar, analítica, de um ponto de vista acadêmico ou profissional (que envolva o morador e o tomador de decisões) que revele as tendências no campo do conhecimento da paisagem e enriqueça a difusão de experiências desde a América Latina e até ela, de maneira que divulgue recomendações para futuras práticas e pesquisas. Solicita-se aos autores uma escala de atenção que abranja mais além do edifício e promova, no caso dos arquitetos, a transcendência de seu objeto de criação para se interrogar sobre a forma urbana geral de um território, a evolução constante desta, os atores e fatores dessa evolução, as consequências no caráter de um lugar, em seus ambientes e na relação entre uma geografia física de origem natural intervida constantemente pela mão do homem e pelas pessoas que a habitam.

No âmbito do ano bicultural Colômbia-França 2017, a Universidade de Los Andes, em colaboração com a Prefeitura de Bordeaux e Agora Bienal de Bordeaux Métropole —Arquitetura, Urbanismo e Desenho—, organizou a exposição-encontro França nos Andes. O que entendemos por paisagem em Bogotá? Por que é pertinente que Bogotá se interrogue sobre sua(s) paisagens? Qual é o papel dapaisagem no ordenamento territorial? Tentar contribuir com respostas a essas perguntas é o nosso objetivo.

Para fortalecer essa colaboração colombo-francesa e, principalmente, estender a reflexão a outras geografias e olhares cruzados, o número Paisagens da revista dearq propõe, em associação com a Escola Nacional Superior de Arquitetura e Paisagem de Bordeaux, um edital internacional a artigos científicos, sem diferenciação de país de procedência nem campo disciplinar, no qual a originalidade, o grau de atualidade da informação e o interesse atribuído à relação entre paisagem(ns) e identidade(s) de um território sejam determinantes.

Será outorgada uma atenção especial ao material gráfico que acompanhar a reflexão escrita, tanto para seção Artigos quanto para a de Projetos , buscando identificar, por meio das representações gráficas, novas maneiras de apreender as paisagens. Além disso, espera-se consolidar um banco de referências bibliográficas que ilustre a diversidade de pontos de vista como sua complementariedade.

Paisagens, como primeiro número dedicado a esse tema na coleção da revista dearq , espera ampliar a discussão sobre um conceito complexo, ao mesmo tempo tangível e intangível, subestimado até o final do século XX e considerado, pouco a pouco, um bem comum.

Mais informações através do e-mail dearq@uniandes.edu.co e na página da revista De-Arq.

 

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas