Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Publicações

Dossiê da Revista Estudos Ibero-Americanos: Africanos nos impérios ibéricos

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Chamada para trabalhos, História, Ciências Humanas e Sociais, Direitos Humanos, Estudos Ibero-Americanos

A Revista Estudos Ibero-Americanos (Qualis A2, ISSN: 0101-4064) organiza o Dossiê “Cores, classificações e categorias sociais: os Africanos nos impérios ibéricos, séculos XVI a XIX” (Volume 44, n.3, 2018). A edição será feita por Eugénia Rodrigues (Centro de Históra da Universidade de Lisboa, Portugal) e Mariana P. Candido (University of Notre Dame, Estados Unidos da América). Os artigos devem ser enviados a partir de setembro de 2017.

A revista, editada pelo Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), aceita trabalhos em português, espanhol e inglês.

Cores, classificações e categorias sociais: os Africanos nos impérios ibéricos, séculos XVI a XIX

Como tem sido sublinhado pela historiografia, os impérios ibéricos do período moderno na América, África e Ásia, independentemente dos modos de dominação aí introduzidos, colocaram em contacto pessoas de origens diversas, enquanto foram gerando variadas mestiçagens. Nessas sociedades, construíram-se formas de identificação e hierarquização social baseadas em aspectos como a cor, estatuto jurídico, riqueza, distinção, cultura, religião ou vinculação política. Tais critérios de classificação deram origem a um amplo vocabulário, que assumiu fórmulas comuns nos distintos territórios, mas traduziu, igualmente, especificidades locais. No caso dos Africanos e dos seus descendentes, tanto em África quanto nas sociedades da América e da Ásia para onde foram transportados como escravizados, as classificações, baseadas no mesmo tipo de normas, tiveram, geralmente, uma forte componente de cor associada à construção de categorias socio-raciais, conquanto, em alguns contextos, elas fossem suficientemente maleáveis para os indivíduos poderem transitar de umas para outras. Tais formas de diferenciação, que não permaneceram fixas, ecoam ainda nas sociedades actuais. Este dossier pretende reunir contributos que discutam o lugar dos Africanos nos territórios dos impérios ibéricos, tendo em conta critérios de classificação social. Como foram construídas as classificações sociais relativas aos africanos nos vários espaços imperiais? De que modo essas identificações se sobrepuseram, coexistiram e se transformaram? Que relevância tiveram essas classificações na formação de categorias socio-raciais? Em que medida condicionaram a mobilidade social dos indivíduos?

Mais informações na página da Revista Estudos Ibero-Americanos.

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas