Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Publicações

Chamada: Ensino e prática da tradução: o papel das novas tecnologias

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Chamada para artigos, TIC, Tradução

Chamada para publicação da Revista Texto Livre

Número temático

Ensino e prática da tradução: o papel das novas tecnologias

O surgimento de novas – e cada vez mais sofisticadas – tecnologias trouxe desafios para o mundo da tradução. Algumas dessas tecnologias se consolidaram com o tempo, gerando subprodutos, enquanto outras acabaram sendo substituídas. O fato é que muitas mudanças estão acontecendo na prática tradutória e na formação de tradutores. Isso se deve, em boa parte, às demandas de um mercado globalizado que busca a relação mais eficiente possível entre o que cada um – homem e máquina – é capaz de fazer.

Muitas são as subáreas que se consolidaram nas últimas décadas. A disseminação mundial dos jogos e programas de computador alavancou a localização. A propagação veloz de informações no meio on-line reacendeu discussões sobre qualidade e ética na tradução. O trabalho de dubladores e legendistas se ampliou para incluir a acessibilidade, tornando tanto a audiodescrição como a legendagem para surdos possíveis. A tradução de best-sellers em pouquíssimo tempo multiplicou o uso de memórias de tradução. As pesquisas concentradas no trabalho dos intérpretes e no processo tradutório se beneficiaram de uma gama diversa de ferramentas associando-se, por vezes, com a medicina e a psicologia para obterem resultados mais precisos. A identificação de padrões de escolha e hábitos linguísticos passou a contar com programas de base estatística para a análise de quantidades de dados até então impensáveis. Esses exemplos servem apenas para ilustrar alguns dos desafios da atualidade. Muitas são as oportunidades e muitos também são os obstáculos. Acesso a tecnologias sofisticadas e recentes têm um custo nem sempre acessível aos departamentos de ensino da tradução no Brasil. Há impasses específicos entre o meio acadêmico e o mercado como, por exemplo, questões de direitos autorais envolvendo livros, programas e jogos que precisam ser debatidos.

A partir desse panorama, pretende-se oferecer, com esse número temático da Revista Texto Livre, um espaço para diálogo entre pesquisadores e estudantes interessados nas relações modernas entre tradução e tecnologia, abarcando conquistas, impasses e possíveis caminhos futuros dessa associação, por vezes, intrincada. A Revista Texto Livre é uma publicação semestral mantida pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente, é avaliada como B2 pelo Qualis CAPES. Podem ser submetidos trabalhos inéditos na forma de artigos, entrevistas e resenhas de livros relacionados às diversas tecnologias empregadas no ensino e prática da tradução.

Prazo para submissão: 05 de março de 2018.

Data para publicação do dossiê: 30 de junho de 2018.

 

A revista Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, ISSN 1983-3652, Qualis B2 em Linguística e Literatura e em Interdisciplinar, é um periódico do Grupo Texto Livre, da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (Brasil), e visa à publicação semestral de textos inéditos nas áreas de Linguística, Educação (inclusive Educação a Distância), Cultura Livre, Software Livre, na interface com as Tecnologia da Informação e, sobretudo, abordagens interdisciplinares. A revista recebe textos em português, inglês, espanhol e francês, que são submetidos à avaliação do Conselho Editorial, segundo as normas para contribuições.

As diretrizes para os autores podem ser encontradas no seguinte endereço:
http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/about/submissions#authorGuidelines

Mais informações no site da revista Texto Livre.

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas