Sábado, 26 de Maio de 2018

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Publicações

Chamada Dossiê "Depois do Golpe: a Comunicação Política em Tempos de Pós-Democracia"

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Chamada para artigos, Ciência Política, Ciências da Comunicação, Jornalismo

Chamada Dossiê "Depois do Golpe: a Comunicação Política em Tempos de Pós-Democracia"
Call For Papers - "After the Coup: Political Communication in a Post-Democracy Era"

Editor Convidado: Afonso de Albuquerque

O golpe parlamentar que, em 31 de agosto de 2016, afastou a presidente eleita Dilma Rousseff de seu cargo, pegou de surpresa o meio acadêmico. Embora os parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal tenham sido os agentes diretos da deposição de Dilma Rousseff, o golpe foi um processo complexo, o qual envolveu diferentes setores da sociedade – o aparato judicial, constituído pelo Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Federal, organizações empresariais, com destaque para a FIESP e, não menos importante, a grande imprensa.

Até poucos anos atrás, a consolidação da democracia brasileira era tida como dada. Não obstante a qualidade dessa democracia, muito do esforço analítico empreendido pelos pesquisadores se destinava a provar que, a despeito dos problemas existentes, as instituições funcionavam bem o bastante para garantir a ordem política. De fato, em alguns casos, a agenda da pesquisa parecia inequivocamente otimista, ressaltando o aperfeiçoamento das instituições de accountability do país (com destaque para o Ministério Público), inovações legais como o Marco Civil da Internet, e práticas de e-democracia conduzidas pelas instituições – ferramentas de participação digital, por exemplo –, ou o uso das mídias sociais como recurso de mobilização política. A concretização do golpe, a deterioração da estabilidade política que se seguiu e o avanço de uma agenda conservadora que ameaça direitos sociais e a liberdade de expressão no país sugerem a necessidade de se repensar a agenda da investigação na pesquisa sobre Jornalismo e Comunicação Política.

O dossiê “Depois do Golpe: a Comunicação Política em Tempos de Pós-Democracia” da Revista Contracampo apresenta uma oportunidade para pesquisadores interessados em explorar os desafios que se apresentam à pesquisa sobre o Jornalismo e a Comunicação Política no Brasil. É encorajada a submissão de artigos que explorem o papel desempenhado pelas organizações midiáticas na preparação de um ambiente favorável ao golpe, através da deslegitimação das instituições políticas representativas no país e o seu papel na dinâmica política vigente a partir da instalação do novo governo. Uma lista não exaustiva de temas passíveis de serem explorados na edição inclui:

  • Jornalismo e ética profissional no Brasil contemporâneo: desafios e perspectivas;
  • Padrões da cobertura jornalística antes e depois do golpe;
  • Mídia, corrupção, judicialização e criminalização da política;
  • As redes de comunicação alternativa no novo cenário político;
  • Redes de ultradireita e a nova agenda conservadora no Brasil;
  • A crise política brasileira no contexto da América Latina;
  • As organizações como agentes políticos no Brasil pós-democrático;
  • Economia política da mídia no Brasil pós-democrático;
  • A literatura sobre mídia e democratização: perspectivas críticas;
  • Mídia e a questão social no Brasil.

Prazo para as submissões: 01 de março, 2018.

Desde 2017 a Contracampo é uma publicação bilíngue, recebendo originais em Português ou em Inglês. A tradução para a segunda língua é, no entanto, da responsabilidade dos autores, e o envio da versão deve ser feito após a confirmação de aceite para publicação

Mais informações no site da Contracampo.

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas