Sábado, 23 de Setembro de 2017

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Financiamento/bolsas/emprego

Faperj divulga dois editais: apoio a periódicos e apoio científico e tecnológico

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Brasil

Publicações, Programas, Revistas, Pesquisa, Doutoramento, Pós-Graduação

A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) anuncia  o lançamento da versão 2016 de dois de seus editais: Apoio à Publicação de Periódicos Científicos e Tecnológicos Institucionais e Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional no Estado do Rio de Janeiro. Isso significará, ao todo, investimentos da ordem de R$ 8 milhões na ciência e tecnologia fluminense. O envio de candidaturas para os dois editais têm como prazo máximo o 6 de outubro.

Apoio à Publicação de Periódicos Científicos e Tecnológicos Institucionais

A quarta edição do programa Apoio à Publicação de Periódicos Científicos e Tecnológicos Institucionais – 2016 terá recursos da ordem de R$ 3 milhões. O programa tem o objetivo de apoiar a editoração e publicação de periódicos científicos e tecnológicos brasileiros, impressos e/ou por via eletrônica, em todas as áreas de conhecimento, mantidos e editados por instituições científicas e tecnológicas ou sociedades científicas brasileiras, sediadas no estado do Rio de Janeiro. A meta é ampliar a divulgação de resultados das pesquisas e contribuir para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico, ambiental e social do estado.

Podem submeter propostas pesquisadores vinculados a instituições públicas ou privadas sediadas no estado, com grau de doutor, que sejam membros do corpo editorial do periódico para o qual solicitam recursos, com currículo cadastrado na plataforma Lattes. Os proponentes devem publicar ou ser mantenedores de periódicos que já vêm sendo editados, sem fins lucrativos; que estejam indexados em indexadores relevantes e reconhecidos pela comunidade científica e tecnológica; ou que estejam indexados na base de dados SciELO e/ou classificados no Qualis da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na área ou subárea do conhecimento para a qual estejam se candidatando. O periódico deve estar efetivamente indexado, e não figurando em coleções, como bibliotecas ou outras do gênero.

Também é preciso que esses periódicos tenham abrangência nacional; contem com corpo editorial; não sejam departamentais, regionais, ou de programas de pós-graduação que publiquem, predominantemente, artigos de autores locais. Devem, ainda, publicar, sobretudo, pesquisas originais, avaliadas por pares e não divulgadas em outros periódicos; ter circulado de forma regular nos dois anos imediatamente anteriores ao da solicitação da proposta (2014-2016); apresentar periodicidade de pelo menos dois fascículos ao ano; possuir International Standard Serial Number (ISSN); representar, em relação a outros periódicos da mesma área, a opção majoritária de publicações por autores brasileiros; atender aos padrões mínimos de normatização para publicação de periódicos científicos da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); e publicar, no mínimo, cinco artigos por fascículo.

O valor máximo de cada proposta não poderá ultrapassar R$ 150 mil reais, e os recursos solicitados poderão custear despesas de capital, como aquisição de materiais permanentes e de equipamentos; ou despesas de custeio, como serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas); e material de consumo e componentes e/ou peças de reposição de equipamentos.

Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional no Estado do Rio de Janeiro.

O programa Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional é voltado a estimular ações focadas em vocações e prioridades regionais, otimizando a competitividade de suas potencialidades dentro de temas relevantes e estratégicos, e assim contribuir para o desenvolvimento socioeconômico das diversas regiões do estado fora da área metropolitana do Rio de Janeiro – Belford Roxo, Cachoeiras de Macacu, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Queimados, Rio Bonito, Rio de Janeiro, São Gonçalo, São João de Meriti e Tanguá – e propiciar a melhoria da infraestrutura de instituições de ensino superior e/ou pesquisa, ou de seus campi regionais, sediados fora da região metropolitana do Rio de Janeiro;

Os projetos deverão ser submetidos por pesquisadores com vínculo empregatício/funcional em instituições de ensino superior e/ou pesquisa sediadas no estado do Rio de Janeiro e que exercem as suas atividades profissionais, em tempo integral, em local situado fora da região metropolitana do Rio de Janeiro, sendo obrigatória a comprovação desta situação. Devem ainda ser encaminhados pelo coordenador de cada equipe, com anuência de sua instituição de origem.

Os integrantes de cada equipe, tanto o coordenador quanto os pesquisadores associados, deverão ter o grau de doutor ou equivalente, apresentar produção científica ou tecnológica de qualidade na área objeto da pesquisa, especialmente nos últimos cinco anos, e não  pertencer a mais de um grupo com propostas inscritas neste edital.

Cada um dos projetos inscritos devem refletir a necessidade de aquisição de equipamentos ou pequenas obras de infraestrutura para a execução de um conjunto articulado de linhas de pesquisa. Da mesma forma, as metas traçadas na proposta devem ser explicitamente especificadas, de modo a permitir acompanhamento e avaliação.

Com recursos de R$ 5 milhões, o programa financiará propostas que deverão estar enquadradas em uma de duas faixas (A e B), de acordo com o montante solicitado: Faixa A: entre R$ 250.001 e R$ 400 mil, para equipes formadas por, pelo menos, seis pesquisadores com doutorado; Faixa B: valor inferior ou igual a R$ 250 mil, para equipes formadas por, pelo menos, três pesquisadores com doutorado. Tais recursos custearão tanto despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e equipamentos; e despesas de custeio, caso em que se enquadram serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas), com caráter eventual, incluindo manutenção de equipamentos e material permanente, e a realização de reparos e adaptações de bens imóveis (até o máximo de 35% do montante solicitado em despesas de custeio); diárias e passagens, até o limite de 10% do montante solicitado em despesas de custeio (desde que compreendam despesas necessárias para o desenvolvimento do projeto de pesquisa); não serão permitidas diárias e passagens para participação em reuniões científicas; material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; pequenas obras de infraestrutura e instalações; e despesas de importação (até o limite máximo de 18% do valor do bem importado).

Além do mérito técnico-científico, serão considerados na avaliação de cada um dos projetos a originalidade, integração e definição dos objetivos dos projetos; a viabilidade de execução do projeto dentro do prazo; a adequação do orçamento aos objetivos do edital; sua aplicabilidade e relevância para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social da região do estado do Rio de Janeiro onde será desenvolvido o projeto; o impacto no desenvolvimento de programas de pós-graduação stricto sensu fora da região metropolitana do Rio de Janeiro; entre outros critérios.

Mais informações nos editais completos em anexo e também na página da Faperj.

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas