Segunda-feira, 27 de Março de 2017

Um projeto de

Fundação Calouste Gulbenkian
Associação Internacional de Lusitanistas

Saber mais

Congressos

10th Colloquium on Translation Studies in Portugal - Translating Fear

Início: Fim: Data de abertura: Data de encerramento: Países: Portugal

Língua, Chamada para trabalhos, Tradução, Linguística, Letras

O 10th Colóquio em Estudos da Tradução em Portugal, com o tema "Traduzindo o Medo" acontece na Universidade Católica Portuguesa (UCP), em Lisboa, nos dias 20 e 21 de julho. O prazo final para o envio de propostas é o 10 de março.

Eixo Temático

Em um artigo recente publicado no The Guardian e em um livro que será publicado em breve o autor Pankaj Mishra argumenta que estamos vivendo agora na era da raiva. Enquanto a raiva parece estar se espalhando globalmente, muitas vezes parece resultar do medo ou privação de direitos. Perguntas como "quem fala em conjunto, quem respira junto, quem traduz?" (Apter, 2009: 204) estão no primeiro plano de quase todas as formas de discurso público, moldando preocupações políticas, novas formas de identificação e redefinindo modos de viver.

O medo moderno e a consequente sensação de vulnerabilidade parecem gerar uma ansiedade inaceitável em relação à segurança: "As obsessões de segurança são inesgotáveis ​​e insaciáveis. [...] Elas produzem, em uma escala em constante aumento, suas próprias razões, explicações e justificações". Bauman, 2011: 60). Indiscutivelmente, o medo e a ansiedade sobre a segurança são a fonte de inúmeras narrativas que já estão moldando as vidas de milhões em uma escala global. As narrativas políticas, económicas, literárias, cinematográficas, artísticas sobre o medo estão prosperando, alimentando-se da raiva e um sentimento de impotência que parece habitar as experiências atuais do mundo. Neste contexto, a tradução desempenha frequentemente um papel ambivalente, um campo de batalha entre usos diferentes: ao serviço da identidade e da belicismo, por um lado, e de uma promessa de mediação e de (re) conciliação, por outro.

Isto não é, no entanto, nada de novo. Historicamente, a tradução tem sido um locus heterogêneo, onde tanto os esforços de paz utópicos quanto o exercício da violência (co) existem, e, portanto, torna-se uma prática que muitas vezes espelha e / ou molda o medo. Ressaltar como a tradução contribuiu para moldar (e combater) os medos no passado pode ajudar-nos a entender melhor como a tradução é uma atividade de dois gumes, já que tanto a tradução como a intraduzibilidade têm sido usadas como formas potenciais (e às vezes muito efetivas) de silenciar os outros ou de resistir às práticas hegemónicas.

Esta conferência tem como objetivo discutir como o medo é uma experiência humana generalizada e, como tal, está amplamente e diversamente representado em várias práticas discursivas, do político ao literário. Argumentamos que o medo parece estar no centro das formas atuais e passadas de raiva, de uma raiva que é produzida no e pelo discurso e na tradução.

Assim, nós daremos boas-vindas aos scholars que estão dispostos discutir se, e como, o medo pode ser verbalizado e traduzido - isto é, carregado através dos continentes, das línguas e das culturas - e como as práticas discursivas diferentes (re) produzem o medo ea violência. Como observa Arjun Appadurai, "a violência em larga escala não é simplesmente o produto de identidades antagônicas, mas [...] a violência em si é uma das maneiras pelas quais a ilusão de identidades fixas e carregadas é produzida" (2006: 7). Assim, a violência pode ser vista como a negação da traduzibilidade, entendida como uma forma de mobilidade e de fixidez arrebatadora.

Sendo culturalmente produzido, o medo de outro (s) pode, sem dúvida, ser lido como uma forma de experiências de deslocamento exterior e unbelonging e traduzir uma nostalgia de estabilidade como fixidez. Gostaríamos de discutir como o medo é (re) produzido na tradução de discursos políticos, literatura, noticiários, programas de televisão, propagandas, etc.

Os artigos sobre os seguintes tópicos são bem-vindos:

  •     Tradução e terror(ismo)
  •     Traduzindo / produzindo medo nas notícias
  •     Tradução e repressão
  •     Medo, globalização e tradução
  •     Traduzindo o medo na literatura e nas artes
  •     Thrillers e a tradução (ou intraduzibilidade) dos inimigos
  •     Ética e partidarismo na tradução
  •     Assimetrias em / de representação em tradução
  •     Linguagem política, guerra e tradução
  •     A oposição como resistência e / ou promoção do medo
  •     Tradução, identidade e violência
  •     Tradução e vulnerabilidade
  •     Tradução como utopia
  •     Intraduzibilidade como resistência

Oradores confirmados:

  • Michelle Woods (SUNY Nova Paltz - EUA)
  • Isabel Capeloa Gil (Universidade Católica Portuguesa - CECC)

Mais informações na página do Centro de Estudos da Comunicação e Cultura (CECC) da Universidade Católica Portuguesa e através dos e-mails de Maria Lin Moniz (lin.moniz@gmail.com) e Alexandra Lopes (mlopes@fch.lisboa.ucp.pt).

 

Informação relacionada

Outras webs de referência
Enviar Informação

Mapa de visitas

Locations of visitors to this page